Cria de Fenrir

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Cria de Fenrir

Mensagem por Garou em Qua Dez 24, 2008 1:28 am


Cria de Fenris


Qualquer Cria digno de suas cicatrizes porta-se cm orgulho, pois é o resultado de séculos de um legado guerreiro. A Cria de Fenris, ou Fenrir, é composta de heróis no sentido mais verdadeiro da palavra. Buscam a fortuna num caminho assediado por batalhas e lavado com sangue. Em grande parte de origem nórdica, teutônica ou saxã, eles refletem as atitudes ríspidas de uma história brutal. Sagas, eddas e poemas prosaicos de milhares de anos atrás inspiram-nos a grandes atos de valentia. Admitidamente, os lobisomens de outras tribos costumam ficar chocados com o comportamento violento e impiedoso da Cria, mesmo em relação a outros Garou. Poucos desistem de uma luta, um número menor ainda demonstra misericórdia; porém, todos eles anseiam por mostrar sua perícia em combate. A força é a maior virtude entre a Cria. Por meio do conflito constante, eles ficam mais fortes... ou com isso se destroem.

Os Fenrir parecem ferozes e beligerantes para as outras tribos. Mesmo seus filhotes sacrificam as próprias vidas de bom grado na campanha sem fim contra o Grande Dragão das Trevas. Embora os filhotes de estirpe apropriada sejam instigados a entrar para a tribo, os lobisomens simplesmente não nascem Cria de Fenris; têm primeiro de se tornar merecedores. Muitos são de origem europeia, nascidos dos Parentes Fenrir, mas sabe-se que as seitas da Cria aceitam heróis de outros grupos étnicos. No entanto, o caminho para a glória não é fácil. Os Rituais de Passagem da tribo são inevitavelmente sangrentos e muitas vezes letais. Os filhotes que buscam aceitação são desafiados continuamente. Mesmo os lobisomens que não nasceram na lua cheia têm de se mostrar guerreiros capazes. Os Fenrir fracos morrem; os mais fortes sobrevivem.

Para incitá-los a uma glória maior, os Galliards Fenrir, chamados escaldos, recitam grandes épicos sobre heróis lobisomens que lutaram contra adversidades imensas. No entanto, em seu desejo ardente por sangue e glória, os Fenrir fecharam os olhos às trevas que existem dentro deles mesmos. O fatalismo é comum entre sua espécie. Um verdadeiro herói não se importa se vai viver ou morrer, desde que destrua seus inimigos e inspire um grande épico para os Galliards recitarem. Como seria de se esperar, as baixas entre os Fenrir são grandes. Mesmo que vencer uma batalha pareça impossível, um membro da Cria de Fenris preferiria morrer como herói a fugir com o rabo entre as pernas. Chamar um Cria de covarde é equivalente ao suicídio.

A tribo vê a si mesma como a vanguarda de uma batalha interminável contra a Wyrm. O elitismo é dolorosamente evidente. Alguns raros e poucos chegaram a abraçar ideais arianos de supremacia racial, o que acabou manchando a honra da tribo. O resto se considera superior aos outros Garou mas, em grande parte, por que eles levam uma vida dura e têm ideais elevados. Também são incontestavelmente chauvinistas e zombam dos “direitos civis” e do “feminismo”. Os fortes mandam nos fracos, que devem assumir seus devidos lugares entre os covardes e os heróis fracassados.

No decorrer do último século, a tribo foi forçada a modificar suas atitudes chauvinistas. Outras tribos consideram-nos machistas e rudes, mas as mulheres sempre tiveram lugar na cultura da Cria. Durante o século XX, as Fenrir redefiniram muitos dos papéis tradicionais das mulheres na tribo. Como parte de sua cultura, lutaram para provar que são tão heroicas quanto seus rivais masculinos e, apesar de terem precisado dar muito mais duro do que eles, elas se mostraram dignas. Às vezes, um ancião olha de soslaio para uma mulher que insiste em ser tratada como igual, mas ele geralmente muda de ideia assim que leva uma coça. As mulheres da Cria são determinadas o bastante para fazer páreo a uma típica Fúria Negra. Infelizmente, são também teimosas o bastante para insistir em provar sua superioridade. O resultado: duelos épicos.

Quando a Cria decide se reunir em grandes grupos, é fatal seguirem-se torneios de quebrar ossos e provas épicas de habilidade. As assembleias tribais são sempre celebradas à luz da lua cheia e têm um cunho militar. Os Ahroun dominam essas reuniões, pois os líderes devem sempre lutar por suas posições de autoridade. Todos os frequentadores devem passar por um mortal corredor polonês a fim de participar dos rituais sagrados da tribo. O corredor é logo seguido por sangrias rituais, entalhe de runas a sangue frio e tortura dos inimigos capturados. Os rituais místicos envolvem longos combates, algumas vezes contra espíritos que devem ser forçados à submissão pelos poderosos Theurges.

Os Fenrir encaram a vida como uma longa e dura batalha; para eles, a paz é um sonho impossível. Com essa filosofia, eles adquirem um profundo conhecimento de suas Bestas interiores, de seus inimigos selvagens e de sua fúria ilimitada. Com a chegada dos Últimos Dias, os verdadeiros heróis têm a oportunidade de empunhar essas armas e ganhar um lugar no Valhalla. Eles acreditam que um grande campo de batalha já foi preparado para eles na Umbra: Vigrithr, o reino onde a batalha final do Apocalipse será travada. Fimbulwinter, o “inverno final” que dará um fim à idade do homem, já chegou. Os exércitos do mal estão se reunindo para destruir os Garou numa escala jamais vista. A Cria de Fenris vem se preparando há gerações. Se o Ragnarok está próximo, eles o saudarão com garras afiadas e espadas desembainhadas.

Totem da Tribo: Lobo Fenris

Força de Vontade Inicial: 3

Antecedentes: A Cria não pode adquirir o Antecedente Contatos. Amigos de verdade são os únicos amigos que um Fenrir deseja. Podem adquirir Mentor, mas o patrono de um membro da Cria apenas aconselha, nunca protege. Os que não conseguem sobreviver por conta própria merecem morrer.

Dons Iniciais: Garras Afiadas, Resistência à Dor e Semblante de Fenrir.

Físico: A Cria é uma tribo muito marcial. Muitos membros são extremamente musculosos e ostentam suas cicatrizes com orgulho. Suas formas lupinas assemelham-se aos grandes lobos cinzentos do Norte, feras beligerantes com ombros largos e mandíbulas imensas e cruéis. Muitos têm manchas escuras na pelagem, embora alguns partidários da supremacia zombem dos Fenrir que não possuem uma pelagem imaculada. Muitos parecem escandinavos, germânicos ou anglo-saxões em suas formas Hominídeas, mas os Fenrir modernos provêm de qualquer cultura que produza guerreiros suficientemente fortes. Quase todos os membros da Cria apresentam cicatrizes e tatuagens impressionantes. Alguns até mesmo marcam a pelagem à fogo ou entalham runas sagradas na própria pele.

Território: Qualquer local não defendido adequadamente pode se encontrar sob ataque dos “protetores” Fenrir. São famosos por assaltar outros caerns tribais para supostamente torna-los seguros. Como os Wendigo, eles parecem prosperar sob condições adversas e protegerem caerns famosos pelas tempestades violentas e por invernos severos. Os maiores protetorados ficam na Floresta Negra da Alemanha e nas imensidões da Escandinávia.

Parentes: No início, a Cria de Fenris caçava nas terras natais da tribo no norte da Europa, mas percorreu muitos países como seus ancestrais vikings. A maioria prefere as áreas rurais onde vivem seus Parentes, geralmente sob condições adversas o bastante para “refugar os fracos” dos rebanhos humanos.

Citação: O fedor do mal é forte aqui. Acho que estamos em menor número, pelo menos quatro para um. Pena que eles estejam em tamanha desvantagem. O que? Você acha que devíamos bater em retirada? Nunca! Este é um momento de grande glória!
Fonte: Lobisomem o Apocalipse livro básico, páginas 70 e 71.

Garou
Admin
Admin

Mensagens : 98
Data de inscrição : 23/12/2008

Ver perfil do usuário http://lobisomens-apocalise.forum-livre.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum